• Shopping Cidade das Artes

Entenda o Open Banking e conheça suas fases de implementação

É bem provável que você já tenha ouvido falar no termo Open Banking e como ele deve influenciar o mercado financeiro. Comerciais dos principais bancos já usam essa chamada para validar ainda mais o reconhecimento da marca deles perante os correntistas e usuários.


Mas o que realmente é e como será implementado o Open Banking?


O Banco Central classifica e define o Open Banking como um sistema financeiro aberto de compartilhamento padronizado de dados, produtos e serviços, por meio da abertura e integração de sistemas. Isso significa que, na prática, os clientes poderão compartilhar suas informações entre diversas instituições autorizadas pelo BACEN.


Outra vantagem é a movimentação de suas contas bancárias por outros meios e diferentes plataformas, e não apenas pelo aplicativo do banco ou site.


Todos os bancos “grandes” serão obrigados a fazerem parte do Open Banking. Outras instituições menores poderão optar em participar. Em todo o caso, o Banco Central que dará a autorização de funcionamento a essas organizações financeiras.


O quê muda com o Open Banking?


Ao promover a transparência de informações entre instituições financeiras participantes, o sistema incentivará o investimento em novos modelos de negócio, que proporcionarão uma nova experiência para o usuário, com segurança e agilidade. Isso melhorará as politicas de mercado, novas ofertas de serviços, além de potencializar e favorecer a personalização de atendimento aos tantos clientes e perfis diferenciados dos clientes.


Com a devida permissão do correntista, outras instituições poderão observar o relacionamento e informações dos clientes em outras instituições financeiras graças ao Open Banking, mas somente as instituições participantes. Com isso, as instituições poderão customizar ofertas de serviços e soluções, cada vez mais personalizado com a nível de informação que o cliente permitir compartilhar.


Quando será feita a implantação do Open Banking no Brasil?


Aqui no Brasil, essa implantação foi dividida em quatro fases. Cada fase será, de forma gradual, aumento no compartilhamento de informações e instituições aceitas pelo Banco Central.


Fase 1


Lançada em 01 de fevereiro de 2021


Na primeira parte, as instituições devem disponibilizar ao público informações padronizadas sobre seus canais de atendimento, lista de produtos e serviços bancários oferecidos. Aqui, ainda não há o compartilhamento de dados dos clientes. Por isso, podem aparecer soluções e serviços que comparam as diferenças entre serviços e produtos, auxiliando o usuário e cliente a optar pelo serviço que se adequar melhor a sua necessidade e perfil. Exemplo: tarifas bancárias, contas, cartão de crédito.


Fase 2


Lançada em 13 de agosto de 2021


Nessa fase, se iniciar o compartilhamento de dados cadastrais e transacionais sobre serviços bancários tradicionais (contas, crédito e pagamentos). Os clientes, se quiserem, poderão solicitar o compartilhamento entre instituições participantes de seus dados cadastrais, de informações sobre transações em suas contas, cartão de crédito e produtos de crédito contratados.


Vale reforçar que o compartilhamento ocorre apenas se a pessoa autorizar, sempre para finalidades determinadas e por um prazo específico. E será possível para o cliente cancelar essa autorização a qualquer momento em qualquer das instituições envolvidas no compartilhamento.


Nessa etapa, o cliente já poderá sentir o benefício do Open Banking ao receber ofertas de produtos e serviços mais adequados ao seu perfil, a custos mais acessíveis e de forma mais ágil e segura.


Fase 3


Prevista para 30 de agosto de 2021


Nessa fase, surge a possibilidade de compartilhamento dos serviços de iniciação de transações de pagamento e de encaminhamento de proposta de operação de crédito. O processo começará a partir do Pix se estendendo por outras conforme cronograma.


Novas soluções e ambientes para a realização de pagamentos e para recepção de propostas de crédito, possibilitando o acesso a serviços financeiros de forma mais fácil e por meio de canais mais convenientes para o cliente, preservando a segurança do processo. Nessa fase, novamente a reforço, o compartilhamento só acontece com a autorização prévia e específica do cliente.


Fase 4


Prevista para 15 de dezembro de 2021


Trará dados sobre outros serviços financeiros ao escopo do Open Banking. Os clientes poderão compartilhar suas informações de operações de câmbio, investimentos, seguros, previdência complementar aberta e contas-salário, bem como acessar informações sobre as características dos produtos e serviços com essa natureza disponíveis para contratação no mercado.


Assim, ampliar-se-á ainda mais a possibilidade de surgimento de novas soluções para a oferta e a contração de produtos e serviços financeiros, mais integrados, personalizados e acessíveis, sempre com o consumidor no centro das decisões.


Para verificar o calendário completo da ativação do Open Banking no Brasil, acesse o portal oficial do Banco Central.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo